Quem matou a menina perfeita?


Na manhã de 26 de dezembro de 1996, John Bennett Ramsey e Patrícia Ramsey não encontraram a filha JonBenét, de 6 anos, na cama. Nas escadas da casa do bem-sucedido presidente de uma empresa de tecnologia da informação e de uma ex-rainha de concursos de beleza, encontraram uma carta de pedido de resgate de duas páginas e meia, nas quais exigiam pouco mais de 118.000 dólares (cerca de 367.000 reais), exatamente a mesma quantia que John Bennett havia recebido como bônus de sua empresa.

Desobedecendo as ordens dos sequestradores, chamaram a polícia. Por ordem de um detetive, oito horas depois, checaram minuciosamente a mansão e, no sótão, enrolada em sua manta favorita, encontraram a filha assassinada após ter sido abusada sexualmente. JonBenét Ramsey ficou conhecida por ter ganhado vários prêmios em concursos de beleza infantil como America’s Royal Miss, Colorado State All-Star Kids Cover Girl, Little Miss Charlevoix Michigan, Little Miss Colorado, Little Miss Merry Christmas, Little Miss Sunburst e National Tiny Miss Beauty, incentivada, provavelmente, pela mãe.

Vinte anos depois, o caso continua sem um desfecho. Nunca ninguém foi acusado do homicídio, e as suspeitas recaíram sobre a mãe e o irmão Burke, de 9 anos. A revista Vanity Fair publicou uma reportagem dizendo até mesmo que JonBenét havia morrido enquanto seus pais praticavam com ela um jogo sexual que saiu do controle.

A verdade é que não há nenhuma evidência sobre essa hipótese ou sobre qualquer outra teoria. Além disso, em 2008, à luz dos novos testes de DNA com amostras encontradas no corpo de JonBenét, a promotoria do Condado de Boulder isentou a família de qualquer envolvimento no assassinato, atribuindo as amostras de DNA a um homem não identificado, e pediu perdão se, em algum momento, suspeitou dos pais e do irmão da menina. O assassinato de JonBenét é um dos mais famosos e de maior cobertura da mídia na história dos Estados Unidos.



Tanto que, duas décadas depois, ainda desperta interesse. Com isso, surgiu Casting JonBenet, documentário de Kitty Green que estreou em Sundance antes da projeção no Festival de Cinema de Berlim, a Berlinale. O fascinante é que o filme não ilustra o caso, mas se fundamenta nas gravações de um casting (seleção de atores) nos arredores de Boulder (Colorado), onde moram os Ramsey, para um possível filme sobre o tema. 

E, por meio de conversas com voluntários, atores e fãs que se apresentam para interpretar a família Ramsey, o chefe de polícia e o Papai Noel (a menina faleceu no dia após o Natal), entender como o crime afetou a comunidade e, como a morte, qualquer morte, subverte o ser humano. Os atores falam sobre suas próprias experiências, sobre as ausências emocionais sofridas, sobre a dor que cada um esconde.

 “A ideia vem do meu curta The Face of Ukraine: Casting Oksana Baiul, na qual usei gravações de casting para ilustrar o conflito ucraniano”, conta a diretora Kitty Green. Depois de vencer o Grande Prêmio do Júri no Festival de Sundance de 2015, Green usou o mesmo formato para documentar o assassinato que havia marcado sua infância, o de JonBenét Ramsey. “Fomos muito sinceros com aqueles que participaram na gravação. E, como prova da boa sintonia, após a exibição do filme em Sundance fizemos uma festa com o elenco, e muitos vieram dirigindo de suas casas. ” Após a estreia, o filme foi comprado pela Netflix.

O processo de montagem foi longo. Foram 15 meses de edição das 100 entrevistas realizadas depois de conversas com 200 pessoas, gravadas em três viagens. A família (John Bennett e Burke, já que Patrícia morreu de câncer de ovário em 2006) conhece o projeto? “Tenho certeza que sim, porque filmamos sem nos esconder. ” Na verdade, Casting JonBenet é fascinante porque, diante da câmera, cada pessoa desenvolve sua própria teoria antes de entrar em seus próprios sofrimentos, nas mortes e ausências que marcaram seus passos. “O peso de suas histórias, além do crime contra JonBenét, transformou a comunidade nos últimos 20 anos. ” E o burburinho na mídia que acompanhou o caso é resumido em uma sequência final prodigiosa, na qual a família Ramsey é multiplicada ao infinito em uma onda de gritos, angústia, amor e dor.

Postar um comentário
Assinar: Postar comentários (Atom)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...